Um olhar especial para os produtos florestais não madeireiros

O Brasil é privilegiado por possuir recursos florestais abundantes, e é o único com extensa área de florestas tropicais. O Ministério do Meio Ambiente estima que 69% da cobertura florestal (374,6 milhões de hectares) têm potencial produtivo. E fomentar a economia florestal, aliando conservação da biodiversidade e geração de trabalho e renda nas comunidades, tem impulsionado a transformação ambiental e social na floresta, e um olhar mais preocupado com o futuro da humanidade e de toda diversidade biológica.

Decerto, a cadeia produtiva de base florestal constitui uma atividade econômica complexa e diversificada de produtos. Os desafios para o avanço no desenvolvimento nessa perspectiva são relacionados, principalmente, ao nível educacional das comunidades, conhecimento e relação com o mercado consumidor mais qualificado e justo, e de baixo nível tecnológico aplicado.

A SOS Amazônia atua nos empreendimentos para o investimento em estruturação dos núcleos de beneficiamento comunitários, a organização dos processos produtivos e de gestão participativa, e facilitar essa compreensão ajuda a viabilizar as ações junto a mercados diferenciados. Os produtos de origem extrativista ainda possuem participação pequena no mercado nacional e internacional. Dificuldades de diferentes naturezas são entraves que acarretam nessa reduzida participação, como a falta de padronização, reduzido apoio tecnológico e baixa formação social para os negócios das cadeias produtivas extrativistas.

Contudo, esses produtos já têm grande importância na geração de trabalho e renda para as comunidades amazônicas. A região, especificamente o estado do Acre, possui abundante oferta de produtos de origem florestal e com potencial de alcance de diferentes nichos de mercados, desde a comercialização da matéria-prima florestal in natura, beneficiada ou do produto acabado.

Os grupos sociais organizados, como cooperativas e associações de produtores agroextrativistas, são oportunidades de fortalecimento das cadeias produtivas extrativistas e de geração de renda para as comunidades tradicionais que vivem nessa região de grande biodiversidade. Essas organizações possuem potencial de desenvolvimento econômico e especialmente de inclusão social, de gênero e de fixação do jovem em suas comunidades.

Entre os produtos não madeireiros do extrativismo, de acordo com o IBGE (2016), destaca-se o grupo dos Alimentícios, que obteve a maior participação no valor de produção (71,9%), seguido pelas Ceras (13,5%), Oleaginosos (7,4%), Fibras (7,0%) e demais grupos (0,4%). O açaí segue sendo o produto com maior valor de produção entre os extrativos não madeireiros, com R$ 539,8 milhões, crescimento de 12,4%. A erva-mate segue apresentando o segundo maior valor, com R$ 398,8 milhões, seguido pelo pó cerífero de carnaúba (R$ 187,5 milhões) e pela castanha (R$ 110,1 milhões).

Trabalhamos para Consolidar cadeias de valor
de produtos da sociobiodiversidade

Cadeia de Valor
da Borracha Nativa

Cadeia de Valor
dos Óleos Vegetais

Cadeia de Valor
do Cacau Silvestre

Cooperativas Apoiadas

Logo da Cooperada
Logo da Cooperada
Logo da Cooperada
Logo da Cooperada
Logo da Cooperada
Logo da Cooperada
Logo da Cooperada
Logo da Cooperada
Logo da Cooperada
Buriti

Buriti (Mauritia flexuosa)

O óleo de Buriti é utilizado na formulação de cremes, sabonetes e xampus, aumenta a elasticidade da pele, promove a renovação celular, hidrata e protege contra a radiação solar. Também é utilizado como alimento, sendo rica fonte de betacaroteno (118 miligramas/100 gr de óleo), além de prevenir doenças coronarianas.

Cacau Silvestre

Cacau Silvestre (Theobroma cacao)

As amêndoas de cacau são usadas, principalmente, para a fabricação de chocolate. O óleo e a manteiga são utilizados na produção de perfumes, xampus, sabonetes e cremes.

A indústria alimentícia produz doces e geleias a partir da casca do cacau e da cibirra (tecido central fibroso que une as amêndoas). Além disso, a partir da massa de amêndoas é possível produzir a polpa de fruta, vinho de cacau e o licor fermentado de cacau.

Murmuru

Murmuru (Astrocaryum murumuru)

A manteiga de Murumuru é muito nutritiva, emoliente e hidratante, possibilita a recuperação da umidade e elasticidade naturais da pele. É utilizada em xampus, condicionadores, cremes, loções, sabonetes, batons e desodorantes.

Seringueira

Seringueira (Hevea brasiliensis)

A borracha nativa tem diversos usos. É utilizada na fabricação de tênis, pneus, bolas, artesanato, luvas domésticas, elástico, moda, etc.)

Tucumã

Tucumã (Astrocaryum aculeatum)

O óleo da polpa do Tucumã é usado como hidratante da pele e revitalização de cabelos danificados. Apresenta alto poder de espalhabilidade e atua como protetor solar.

A exemplo do óleo de patauá, é considerado uma especiaria gastronômica, sendo rico em ômega 3, 6 e 9, além de possuir alto nível de betacaroteno (de 180 a 330 mg/100g) e de antioxidantes naturais. Também pode ser utilizado como corante natural em pratos culinários.

A manteiga do tucumã é utilizada em cremes, sabonetes e xampus, tem alto poder de hidratação, formando uma película protetora transparente sobre a pele, similar ao silicone, sem obstruir os poros. Atua também como protetor solar.

Andibora

Andibora (Carapa guianensis)

O óleo de Andiroba é utilizado na formulação de sabonetes, xampus, cremes e óleos para massagem. É emoliente, hidratante, anti-séptico e anticelulite. Também é amplamente utilizado como fitoterápico, atuando como antipirético, antiinflamatório, vermífugo, purgativo e cicatrizante.

Patauá

Patauá (Oenocarpus bataua)

É utilizado em cremes, loções, sabonetes e xampus, possuindo propriedades emoliente, hidrante e revitalizante, principalmente para os cabelos. É considerado uma especiaria gastronômica. Apresenta odor pouco pronunciado, sabor, aparência e composição semelhantes ao do azeite de oliva. Possui alto grau de ácidos graxos insaturados.

Copaíba

Copaíba (Copaifera spp.)

O óleo de copaíba é utilizado na fabricação de xampus, sabonetes e cremes. Reduz cicatrizes, celulites e estrias, regenera o colágeno e é emoliente. Equilibra a oleosidade e trata caspas e seborreia do couro cabeludo. Protege os cabelos tingidos, deixando os fios brilhantes e macios.

Também é muito utilizado como fixador de aromas em perfumes. É amplamente utilizado como fitoterápico, possuindo elevado poder anti-inflamatório. E apresenta propriedades antiúlcera, antiviral, antifúngica e antiedêmica.

Ícone de folha de árvore Seja Voluntário SOS Amazônia

Tem sede de ajudar a mudar o mundo a sua volta?
Seja um voluntário SOS Amazônia, inscreva-se e em breve entraremos em contato

Ícone de folha de árvore Associe-se a SOS Amazônia

O seu apoio é fundamental para continuarmos a trabalhar pelo futuro da nossa floresta, rios, animais e da humanidade.
Afilie-se agora!

Ícone de folha de árvore Faça parte da equipe SOS Amazônia

Tem interesse em trabalhar na SOS Amazônia?
Nos envie seu currículo e faça parte da nossa base exclusiva de currículos


Ícone de folha de árvore Seja Parceiro SOS Amazônia

Tem sede de ajudar a mudar o mundo a sua volta?
Seja um voluntário SOS Amazônia, inscreva-se e em breve entraremos em contato