Campanha SOS Reciclagem

Realizada pela SOS Amazônia, a Campanha SOS Reciclagem tem por objetivo promover a educação ambiental sobre a correta destinação dos resíduos sólidos recicláveis.

A ideia começou a ser colocada em prática em fevereiro de 2013, por meio de uma campanha experimental, para separação e descarte seletivo de materiais recicláveis por 11 famílias vizinhas a instituição. Atualmente, a Campanha acontece na sede da SOS Amazônia, em Rio Branco, onde voluntariamente, pessoas dos bairros Cadeia Velha e Habitasa entregam materiais para a reciclagem.

Como funciona

No bairro Cadeia Velha, famílias são convidadas para participar do projeto de forma voluntária, entregando materiais plástico e alumínio na sede da SOS Amazônia. Trata-se de uma campanha de educação ambiental permanente e acontece desde o ano de 2013. Essa iniciativa arrecada cerca de 350 quilos/mês de plásticos (90%) e alumínio (10%), que são vendidos para sucatões na cidade. De todo o dinheiro arrecadado, 27,5% é destinado a coleta dos materiais e gestão do processo, enquanto que 72,5% é investido nas iniciativas ambientais da SOS Amazônia, como por exemplo apoio logístico ao trabalho de monitoramento de das desovas de quelônios ao longo do rio Juruá.

Para Miguel Scarcello, diretor geral da SOS Amazônia, embora o recurso financeiro seja de suma importância, a campanha deve ser vista, sobretudo, pelo ganho ambiental que vai gerar.

“Além de pensar em soluções para o tratamento de resíduos sólidos na capital, a ideia surgiu para apoiar os ribeirinhos a fazerem a proteção das desovas de tartarugas, tracajás e iaçás ao longo do rio Juruá. São mais de 20 famílias voluntárias mergulhadas nessa causa e que precisam de apoio. E envolver as pessoas da cidade na luta pela conservação da nossa biodiversidade é, sem dúvida, uma oportunidade muito boa para criação de cenários sustentáveis”, observa.

A SOS Amazônia desenvolve atividades e projetos de educação ambiental com a temática resíduos sólidos desde 1990.

Lista de materiais recicláveis

       1. Embalagens Plásticas

Refrigerante
Água Sanitária
Amaciante de Roupas
Desinfetante
Detergente
Shampoo/Condicionador
Iogurte
Manteiga/Margarina/Requeijão
Garrafão de Água Mineral
Baldes e Bacias
Vasilhas
Mesas e Cadeiras

      2. Alumínio

Latinhas
Panelas velhas, Vasilhas, Bacias

Pontos de Entrega Voluntária (PEV)

SOS Amazônia: de Segunda a Sexta-feira | das 8 às 17 horas [Localização]

Conheça mais sobre as atividades de proteçãoProjeto Quelônios do Juruá Eu protejo2

Sob a coordenação técnica da SOS Amazônia, as atividades de proteção dos quelônios (tartarugas, tracajás e Iaçás) acontecem desde 2003.

Voluntariamente, cerca de 20 famílias ribeirinhas protegem, por ano, desovas em mais de 250 covas, em 40 praias ao longo do rio Juruá, nos municípios de Cruzeiro do Sul, Porto Walter e Marechal Thaumaturgo.

Esse trabalho inicia a partir de maio, quando os quelônios começam a desovar nas praias. A primeira etapa é localizar as covas, colocar tela e rede de proteção em cada cova, fixar placa informando que é uma praia protegida, monitorar e proteger as covas dos predadores, animais domésticos e invasão das praias por pessoas, até o mês de setembro, quando eclodem os ovos. Após a eclosão, os  filhotes são recolhidos numa bacia com água do rio e ficam na casa da família, sendo cuidadas até dezembro, período que inicia a estação das chuvas. As atividades terminam com a soltura dos filhotes, em lagos, quando o rio Juruá estiver cheio.

Problemas enfrentados

As famílias voluntárias, muitas vezes, sofrem ameaças de pessoas que colocam em risco todo o trabalho, roubando ovos e destruindo ninhos. São vários os problemas a serem combatidos. Mas, embora as barreiras enfrentadas, os monitores afirmam que o número* de quelônios no alto Juruá tem aumentado, consideravelmente, nos últimos anos, graças à ação voluntária e ao trabalho de assistência técnica da SOS Amazônia na região.

O resultado mostra que a produtividade seria bem maior caso houvesse ajuda de custo e fiscalização intensa nas praias. Nesse sentindo, com a colaboração das pessoas envolvidas na campanha, além de fortalecer as atividades de proteção, a SOS Amazônia vai intensificar a articulação de medidas para combater a ação predatória na região, junto aos órgãos ambientais do Estado.

Canal SOS Amazônia [youtube]

Acesse Vídeo “Quelônios do Juruá: Eu protejo!” [Retrata as ameaças que os quelônios aquáticos (iaças, tracajás e tartarugas) sofrem na região do Alto Juruá/Acre e o trabalho desenvolvido, desde 2003, pela SOS Amazônia e ribeirinhos para promover a conservação dessas espécies].

Acesse fotos na página da SOS Amazônia no Facebook.