Mais saúde

Projeto garante saneamento de qualidade para comunidades do Alto Juruá

A SOS Amazônia, em parceria com WWF-Brasil, Instituto Trata Brasil e com apoio financeiro do HSBC Solidariedade, desenvolve o projeto “Cuidando da gente e das águas na Bacia Hidrográfica do rio Paraná dos Mouras”, localizado no município de Rodrigues Alves, com a implantação de fossas sépticas biodigestoras*.

O objetivo do projeto é atender uma das questões levantadas no Plano de Gestão da Bacia Hidrográfica, que é a ausência de saneamento na região. Estudo feito nas comunidades pela SOS Amazônia identificou que 90% das doenças, como gripe, malária, doenças de pele, diarreia e outras mais severas, como hepatite, cólera e salmonelose, estão ligadas a falta de saneamento de qualidade nessas comunidades.

Na prática, a execução do projeto se divide em três fases: Mapeamento de municípios onde vão ser implantadas as fossas sépticas biodigestoras; capacitação de técnicos em saneamento rural, visando prestar assistência as famílias beneficiadas e, por fim, a instalação de biofossas nas áreas mapeadas atendendo, inicialmente, um total de 21 famílias.

Biofertilizante

Além de melhorar a saúde e a qualidade de vida das comunidades, as biofossas oferecem outro benefício, o chamado Biofertilizante. Essa substância contém microorganismo vivo e quando aplicados em sementes, superfície de plantas ou no solo, promove o aumento da disponibilidade e o suprimento de nutrientes dessas plantas, melhorando o plantio e a produção. A contra indicação é não despejar o biofertilizante diretamente na planta.

Untitled5

*O Sistema de fossa séptica biodigestora é uma tecnologia social simples e barata, desenvolvida pela Embrapa Instrumentação Agropecuária (São Carlos, SP), que visa substituir o sistema de fossas rústicas utilizadas no meio rural, que contaminam o solo e os lençóis freáticos, trazendo consequências graves à saúde das pessoas e ao meio ambiente.