Posts

Assembleia Ambiental das Nações Unidas adota compromissos por um futuro mais sustentável

 No encontro ambiental mais importante do mundo, ministros acordaram um novo modelo para proteger os recursos degradados do planeta

·         Líderes concordaram em enfrentar a crise ambiental por meio de inovações e do consumo e produção sustentáveis

·         Delegados se comprometeram a reduzir de maneira significativa os plásticos descartáveis até 2030

·         A quarta Assembleia Ambiental da ONU aconteceu em uma atmosfera de luto após a queda de avião da Ethiopian Airlines com destino a Nairóbi 

Por Flora Pereira, ONU Meio Ambiente

O Mundo hoje preparou o terreno para uma mudança radical por um futuro mais sustentável, em que a inovação pode ser fomentada para enfrentar os desafios ambientais, o uso de plásticos descartável será significativamente reduzido e o desenvolvimento não irá mais custar tanto para o planeta.

Após cinco dias de conversas na Quarta Assembleia Ambiental das Nações Unidas, em Nairóbi, os ministros de mais de 170 países membros das Nações Unidas entregaram um plano audacioso por mudança, comunicando que o mundo precisa acelerar os movimentos para um novo modelo de desenvolvimento a fim de respeitar a visão estabelecida pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030.

Preocupados pelas crescentes evidências de que o planeta está cada vez mais poluído, rapidamente se aquecendo e perigosamente esgotado, os ministros prometeram atender os desafios ambientais por meio do avanço de soluções inovadoras e da adoção de padrões sustentáveis de produção e consumo.

Reafirmamos que a erradicação da pobreza, mudando aquilo que é insustentável, promovendo padrões sustentáveis de consumo e produção e protegendo a gestão dos recursos naturais que são base para o desenvolvimento social e econômico, são os objetivos fundamentais e as exigências essenciais para o desenvolvimento sustentável”, disseram os ministros em sua declaração final.

“Melhoraremos as estratégias de gestão de recursos naturais integrando perspectivas que englobem o ciclo completo da vida e análises que concretizem economias de baixo carbono e eficientes em relação aos seus recursos”.

Mais de 4.700 delegados, incluindo ministros do meio ambiente, cientistas, acadêmicos, líderes empresariais e representantes da sociedade civil estavam presentes na Assembleia: o corpo mais importante de meio ambiente a nível global, cuja decisão definirá a agenda das nações, antevendo a Cúpula de Ação Climática da ONU, em setembro.

O evento também resultou no comprometimento dos ministros em promover sistemas de alimentação encorajando práticas de agricultura resilientes, enfrentar a pobreza por meio da gestão sustentável de recursos naturais, promover o uso e compartilhamento de dados ambientais, e reduzir sensitivamente o uso de plásticos descartáveis.

Nós vamos endereçar o dano causado a nossos ecossistemas pelo uso insustentável de produtos plásticos, promovendo a redução significativa de produtos descartáveis de plástico até 2030, e trabalharemos com o setor privado para encontrar produtos ambientalmente amigáveis e financeiramente acessíveis”, disseram.

Para enfrentar as lacunas de conhecimento, ministros prometeram trabalhar para produzir dados ambientais internacionais comparáveis e ao mesmo tempo aprimorar os sistemas e tecnologias de monitoramento. Eles também expressaram apoio aos esforços da ONU Meio Ambiente para desenvolver uma estratégia global para dados ambientais até 2025.

O mundo está em uma encruzilhada, mas hoje escolhemos o caminho que seguiremos” disse Siim Kiisler, Presidente da Quarta Assembleia Ambiental da ONU e Ministro do Meio Ambiente da Estônia. “Decidimos fazer as coisas diferentemente. Desde reduzir nossa dependência dos plásticos de uso único a colocar a sustentabilidade no seio de todos os desenvolvimentos futuros, transformaremos a maneira que vivemos. Temos as soluções inovadoras que precisamos. Agora temos que adotar políticas que nos permitam suas implementações”.

A Assembleia começou em luto após o acidente de um voo da Ethiopian Airlines de Addis Ababa para Nairóbi, que custou a vida de todas as 157 pessoas a bordo, incluindo funcionários da ONU e outros delegados que estavam viajando para o encontro. Um minuto de silêncio foi realizado para as vítimas na cerimônia de abertura, onde as autoridades também prestaram homenagem ao trabalho de seus colegas.

No final da Assembleia, os delegados adotaram uma série de resoluções não vinculantes, rumo à mudança para um modelo de desenvolvimento diferente. Entre as resoluções, foi reconhecido que uma economia global mais circular, em que os bens podem ser reutilizados ou reaproveitados e mantidos em circulação pelo maior tempo possível, pode contribuir significativamente para o consumo e a produção sustentáveis.

Outras resoluções disseram que os Estados Membros poderiam transformar suas economias por meio de compras públicas sustentáveis ​​e instaram os países a apoiar medidas para lidar com o desperdício de alimentos e para desenvolver e compartilhar as melhores práticas nas áreas de eficiência energética e de segurança para a cadeia de frio.

As resoluções também abordaram o uso de incentivos, incluindo medidas financeiras, para promover o consumo sustentável e acabar com incentivos para consumo e produção insustentáveis, quando apropriado.

Nosso planeta atingiu seus limites e precisamos agir agora. Estamos muito satisfeitos que o mundo tenha respondido, aqui em Nairóbi, com compromissos firmes para construir um futuro em que a sustentabilidade seja o objetivo final em tudo o que fizermos”, afirmou Joyce Msuya, Diretora Executiva Interina da ONU Meio Ambiente.

Se os países cumprirem tudo o que foi acordado aqui e implementar as resoluções acordadas, poderemos dar um grande passo em direção a uma nova ordem mundial, onde não cresceremos mais às custas da natureza, mas veremos as pessoas e o planeta prosperarem juntos.”

Um dos principais focos da Assembleia foi a necessidade de proteger oceanos e ecossistemas frágeis. Os ministros adotaram uma série de resoluções sobre lixo marinho plástico e microplásticos, incluindo o compromisso de estabelecer uma plataforma multissetorial dentro da ONU Meio Ambiente para tomar medidas imediatas para a eliminação a longo prazo de lixo e microplásticos.

Outra resolução instava os Estados-Membros e outros atores a endereçar o problema do lixo marinho por meio da análise do ciclo de vida completo dos produtos e do aumento da eficiência dos recursos.

Durante a cúpula, Antígua e Barbuda, Paraguai e Trinidad e Tobago aderiram à campanha Mares Limpos da ONU Meio Ambiente, elevando para 60 o número de países adeptos da maior aliança mundial de combate à poluição marinha por plásticos, incluindo 20 da América Latina e do Caribe.

A necessidade de agir rapidamente para enfrentar os desafios ambientais existenciais foi ressaltada pela publicação de uma série de relatórios durante a Assembleia.

Entre as mais devastadoras, está uma atualização sobre a mudança do Ártico, que explica que mesmo que o mundo cortasse as emissões em consonância com o Acordo de Paris, as temperaturas do inverno no Ártico subiriam entre 3 a 5 °C em 2050 e 5 a 9 °C até 2080, devastando a região e desencadeando o aumento do nível do mar em todo o mundo.

O relatório ‘Ligações Globais – Um olhar gráfico sobre a mudança do Ártico’ alertou que o rápido derretimento do permafrost poderia acelerar ainda mais a mudança climática e inviabilizar os esforços para cumprir o objetivo de longo prazo do Acordo de Paris de limitar o aumento da temperatura global a 2 °C.

Enquanto isso, o sexto Panorama Global Ambiental, visto como a avaliação mais abrangente e rigorosa do estado do planeta, alertou que milhões de pessoas poderão morrer prematuramente devido a poluição da água e do ar até 2050, a menos que medidas urgentes sejam tomadas.

Produzido por 250 cientistas e especialistas de mais de 70 países, o relatório mostra que o mundo tem a ciência, tecnologia e finanças necessárias para avançar em direção a um caminho de desenvolvimento mais sustentável, mas políticos, empresários e o público devem apoiar e incentivar essa mudança.

A vice-secretária-geral da ONU, Amina Mohammed, que participou da cúpula na quinta-feira, disse que uma atitude sobre o uso insustentável de recursos não é mais uma escolha, mas uma necessidade.

Como os Estados-Membros afirmaram durante os debates vibrantes, ao lado da sociedade civil, empresas, comunidade científica e outras partes interessadas, ainda é possível aumentar o nosso bem-estar e, ao mesmo tempo, manter o crescimento econômico por meio de uma mistura inteligente de mitigação do clima, eficiência nos recursos e políticas de proteção da biodiversidade”, disse ela.

Como evidência dos efeitos devastadores da atividade humana sobre a saúde do planeta, um clamor global por ações urgentes está aumentando. Enquanto os delegados se preparavam para deixar Nairóbi na sexta-feira, centenas de milhares de estudantes de cerca de 100 países tomaram as ruas como parte de um movimento de protesto global inspirado na estudante sueca Greta Thunberg.

Durante seu discurso na Assembleia Ambiental da ONU Meio Ambiente, na quinta-feira, o presidente francês, Emmanuel Macron, disse que os jovens estavam certos em protestar e que o mundo precisa dessa fúria para impulsionar uma ação mais rápida e mais intensa.

Acreditamos que o que precisamos, dada a situação em que vivemos, são leis reais, regras que são vinculantes e adotadas internacionalmente. Nossa biosfera enfrenta devastação total. A própria humanidade está ameaçada. Não podemos simplesmente responder com alguns princípios que soem bem, sem qualquer impacto real”, afirmou Macron.

O Presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta também disse que o mundo precisava agir imediatamente para enfrentar os níveis recordes de degradação ambiental, insegurança alimentar, pobreza e desemprego.

“As estatísticas globais atuais são bastante preocupantes e as projeções para as gerações futuras são terríveis e exigem ações urgentes de governos, comunidades, empresas e indivíduos”, disse ele.

Portfólio Produtos Florestais não madeireiros

Catálogo de produtos das Cadeias de Valor da Borracha Nativa, Óleos Vegetais e Cacau Silvestre,  destinado a pesquisa de mercados nacionais e internacionais. Investimento do projeto Valores da Amazônia. Acesse!

PROJETO VALORES DA AMAZÔNIA

O projeto Valores da Amazônia foi selecionado no âmbito da Chamada Pública de Projetos Produtivos Sustentáveis do Fundo Amazônia/BNDES para Estruturação, Fortalecimento e Integração das cadeias de valor de produtos florestais não madeireiros nos estados do Acre e Amazonas.

Objetivo: Disseminar e apoiar iniciativas empreendedoras em nove instituições aglutinadas, com foco na geração de trabalho e renda, e no desenvolvimento sustentável da região.

Cadeias de valor apoaidas: Cacau Silvestre, Borracha (Cernambi Virgem Prensado – CVP e Folha de Defumação Líquida – FDL) e Óleos Vegetais (Buriti, Murmuru, Cocão, Andiroba).

Abrangência:

 Acre: Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Porto Walter. Amazonas: Boca do Acre, Pauini, Lábrea e Silves

Manifesto Indígena – Preconceito e discurso tendencioso não mudam a realidade das pessoas

Treze organizações indígenas e do movimento social do Acre publicam um Manifesto rebatendo o pré-candidato ao Senado Márcio Bittar (MDB), que considera os povos indígenas latifundiários improdutivos e causadores de conflitos por terra.

O pré-candidato fala que as populações são vitimadas pela “miséria, pobreza e imensas contradições”, sem perceber que as causas da extrema desigualdade vêm justamente daquilo que ele defende. De forma descarada, que mais se aproxima de má-fé, ignora o contexto histórico de exploração semelhante ao trabalho escravo na extração de seringa, as tantas mortes por doenças antes desconhecidas e tantos outros fatores que entram de forma violenta nas comunidades, frutos dessa exploração. As populações que vivem há milhares de anos na floresta nunca se consideraram miseráveis. Ser miserável, na verdade, é ser refém da lógica que o pré-candidato quer encaixar os povos indígenas. Ser miserável é ter pasto ao invés de floresta; é ter esgoto ao invés de rio; é ter morte ao invés de vida.

Valorizamos as riquezas naturais ao mantê-las vivas, tirando delas o sustento para todas as sociedades e formas de vida no planeta. Ao contrário do que diz o pré- candidato, improdutivo é o modelo que ele defende para o Acre, baseado em pasto, agrotóxico, exploração de madeira. Não aceitaremos insultos e desrespeito ao histórico de lutas para a demarcação de Terras Indígenas e do bem-viver dos povos indígenas no Acre, no Brasil e no Mundo.

Leia o Manifesto:

Preconceito e discurso tendencioso não mudam a realidade das pessoas. Em matéria divulgada no dia 15 de maio, o pré-candidato ao Senado Márcio Bittar fez um pronunciamento, de forma desrespeitosa e desinformada, que coloca os povos indígenas como latifundiários improdutivos e causadores de conflitos por terra. Bittar tem uma postura contra a demarcação das terras indígenas dando a entender que defende a anulação/revisão das que estão homologadas, o que aflige os direitos garantidos na Constituição Federal e nos acordos internacionais assinados pelo Brasil.

Para fins de esclarecimento e utilidade pública, vemos como necessária a apresentação de informações para a compreensão da situação dos povos indígenas no Acre, fato que o pré-candidato desconhece. No Estado, atualmente, existem 35 Terras Indígenas (TIs), sendo 27 homologadas, 1 dominial e as demais em processo de regularização, com 15 povos – além de um grupo de recente contato e os grupos de indígenas isolados. Todos com especificidades culturais, como língua (dentro das famílias lingüísticas Pano, Aruak e Arawá), organização social, espiritualidade, arte, atividade produtiva, entre outros aspectos.

No território acreano existem Terras Indígenas (14,5%TIs), Unidades de Conservação de Proteção Integral (9,5%) e Unidades de Conservação de Uso Sustentável (21,5%). Essas áreas são internacionalmente reconhecidas enquanto limites para garantia da vida, não de maneira particular dos povos indígenas, mas da sustentabilidade mundial. Na década de 90, época em que se amplia a preocupação a nível global com relação à questão ambiental, os povos indígenas já mostravam para o mundo modos de vida que asseguravam ambientes saudáveis. Desde então o Acre têm se destacado no âmbito de políticas públicas ambientais e inclusivas, tornando-se referência. Os Planos de Gestão Territorial e Ambiental das Terras Indígenas (PGTAs) do Acre, presentes em 29 TIs, são exemplos desse reconhecimento. Um dos aspectos que consta nos PGTAs são os acordos criados pelas comunidades para uso, manejo e conservação dos recursos naturais, o que possibilita a constituição de ferramentas que subsidiam a proteção, o controle territorial e a garantia à sustentabilidade social e ambiental.

Diante dessas informações, verificamos a completa negligência e um ataque, sem rodeios, do pré-candidato, mostrando –se incapaz de compreender o verdadeiro sentido de riqueza e qualidade de vida para os povos indígenas. É preocupante que alguém que irá concorrer para o Senado tenha um conceito tão ultrapassado, que violenta social e ambientalmente a vida dos povos indígenas no Acre, mas não só. Violenta a biodiversidade, os conhecimentos tradicionais e modos de viver e gerar riquezas com conservação da floresta. Entendemos, assim, que uma pessoa com um discurso desses é o mesmo que uma arma apontada para os povos indígenas, e representa uma ameaça real para o Acre, para a Amazônia e para a manutenção da vida.

Segundo Bittar, ‘’há uma corrida insana dos governos anteriores rumo a demarcação de terras para os povos indígenas´´ negligenciando uma informação essencial que colocamos agora: as demarcações se situam nos anos 90 porque houveram intensas mobilizações e pressões do movimento indígena e demais movimentos sociais no contexto de redemocratização e visibilidade para a agenda socioambiental no mundo. Hoje, nota-se uma considerável diminuição no número de terras homologadas e demarcadas.

Vemos, assim, uma proposital relação da diminuição (em muitos lugares, de paralização) das demarcações com o avanço das fronteiras agrícolas para exploração desmedida e degradante dos recursos naturais. Dizer que terras indígenas demarcadas ´´é o maior latifúndio improdutivo do mundo´´, é ocultar o seu próprio lugar e a categoria que ele representa. A lógica de muita terra para um só proprietário, que o pré-candidato parece defender, é a que mais desmata, privilegia exportações e gera injustiça social, econômica, ambiental. Ainda assim a concentração de grandes propriedades rurais aumenta, enquanto as demarcações de Terras Indígenas decaem.

Os conflitos fundiários aumentaram muito em 2016, como demonstram diferentes pesquisas. Os órgãos de defesa dos direitos humanos estão sendo surrupiados. Há um crescimento exponencial da Bancada Ruralista no Congresso, que gerou um aumento de tramitações anti-indígenas no poder legislativo, como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil tem denunciado. Hoje são cerca de 182 tramitações com teor que afetam as Terras Indígenas.

Além disso, quando falamos da questão ambiental, relacionada a índices de desmatamento, percebemos que as áreas mais degradadas são aquelas onde o agronegócio é o principal modelo de produção. Em compensação, no Acre apenas 1% das Terras Indígenas correspondem a áreas desmatadas. Bittar fala que ´´basta conhecer para ver […] a situação de penúria das populações indígenas’’. Afirmação preconceituosa que revela o seu profundo desconhecimento da questão indígena e faz uma errônea relação de uma suposta penúria com a floresta em pé. Floresta esta responsável, a nível local, pela riqueza socioambiental e pela produção agrícola diversificada que garante a segurança e soberania alimentar; e a nível global, pela mitigação dos efeitos das mudanças do clima e pela manutenção dos serviços ambientais.

O pré-candidato fala que as populações são vitimadas pela “miséria, pobreza e imensas contradições”, sem perceber que as causas da extrema desigualdade vêm justamente daquilo que ele defende. De forma descarada, que mais se aproxima de má-fé, ignora o contexto histórico de exploração semelhante ao trabalho escravo na extração de seringa, as tantas mortes por doenças antes desconhecidas e tantos outros fatores que entram de forma violenta nas comunidades, frutos dessa exploração. As populações que vivem há milhares de anos na floresta nunca se consideraram miseráveis. Ser miserável, na verdade, é ser refém da lógica que o pré-candidato quer encaixar os povos indígenas. Ser miserável é ter pasto ao invés de floresta; é ter esgoto ao invés de rio; é ter morte ao invés de vida.

Valorizamos as riquezas naturais ao mantê-las vivas, tirando delas o sustento para todas as sociedades e formas de vida no planeta. Ao contrário do que diz o pré- candidato, improdutivo é o modelo que ele defende para o Acre, baseado em pasto, agrotóxico, exploração de madeira. Não aceitaremos insultos e desrespeito ao histórico de lutas para a demarcação de Terras Indígenas e do bem-viver dos povos indígenas no Acre, no Brasil e no Mundo.

ASSINAM

Associação Agro-Extrativista Poyanawa do Barão e Ipiranga – AAPBI

Associação Ashaninka do Rio Amônia – Apiwtxa

Associação do Povo Indígena do Humaitá – ASPIH

Associação Sociocultural Yawanawá – ASCY

Associação dos Produtores Kaxinawa da Praia do Carapanã – ASKAP

Associação do Povo Arara do Igarapé Humaitá – APSIH

Associação do Movimento dos Agentes Agroflorestais Indígenas do Acre – AMAAIAC

Organização dos Professores Indígenas do Acre – OPIAC

Organização dos Povos Indígenas do Rio Envira – OPIRE

Movimento dos Artistas Huni Kuĩ

Comissão Pró Índio do Acre – CPI-Acre

SOS Amazônia

Grupo de Trabalho Amazônico – Núcleo Acre

Centro de Defesa dos Direitos Humanos e Educação Popular – CDDHE

Mais de 40 comunidades são beneficiadas com ATER Agroecologia no Juruá

A SOS Amazônia, em parceria com a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), realiza, desde 2012,  no Alto Juruá, Acre, o Projeto ATER Agroecologia. O objetivo é promover a Agricultura Familiar Sustentável.

A iniciativa tem o desafio de trabalhar a produção agroecológica e orgânica nas Unidades de Produção Familiar (UPF) e destacar a necessidade de alternativas que visem a melhoria da produção rural, de olho no uso sustentável dos recursos naturais.

Mais de 40 comunidades são beneficiadas com o projeto, alcançando cerca de 800 famílias, nos municípios de Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves, Mâncio Lima, Porto Walter e Marechal Thaumaturgo.

Com o esforço e a experiência da equipe técnica da SOS Amazônia, que navega os diversos rios e igarapés da  região, para levar novas alternativas de produção, sem desmatamento, sem uso do fogo e sem veneno, já se registram muitos resultados importantes.

Um exemplo é a propriedade do seu Raimundo Nonato Ferreira, mais conhecido como Leandro, que conta com orgulho que não desmata mais e nem usa veneno em sua área rural. Atualmente, seu Leandro usufrui do seu Sistema Agroflorestal (SAF).

“Já estou colhendo os frutos, tenho mamão papaia, abacate, tangerina, laranja, abacaxi, graviola, cupuaçu, cacau, acerola, banana e a roça. A gente faz a roça sem uso do fogo e eu não uso veneno. Aqueles agricultores que trabalham ainda com queima, além deles estarem agredindo o meio ambiente estão explorando a terra deles. Um agricultor que trabalha lá no Riozinho reclamou que plantava muito longe. Eu perguntei: por que você não traz o roçado para a beira de casa? Ele respondeu:  não, porque a terra de lá não dá. Eu disse: é porque você trabalha de maneira irresponsável, porque para trabalhar de maneira sustentável é preciso você ter consciência do que está fazendo, se eu broco uma terra dessa aí e meto fogo vou tirar todos os nutrientes dela”, explica seu Leandro.

Além da prática de Roçados Sustentáveis, o ATER Agroecologia promove atividades abordando várias temáticas: reaproveitamento de alimentos alternativos, conservação dos recursos naturais, controle sanitário ao redor das casas, igarapés e rios, educação ambiental acerca dos resíduos sólidos, violência doméstica.

Miguel Scarcello, secretário geral da SOS Amazônia, explica que o projeto ATER Agroecologia termina no final de maio. No entanto, há grande possibilidade de estender o prazo por mais seis meses, já que existem atividades que não foram realizadas por conta de atrasos de empenhos financeiros.

“Sem dúvida, é fundamental que essa iniciativa continue apoiando as famílias do Juruá, gerando trabalho e renda, com o uso sustentável dos recursos naturais da região”, destaca Miguel.

Saiba mais sobre o Projeto ATER Agroecologia

Site promove concurso global com o tema moda sustentável

O site Jak&Jil promove concurso global com o tema “moda sustentável”:  O Sustainable Fashion Awards (SFA). A iniciativa tem por objetivo reconhecer e premiar talentos de profissionais consolidados e iniciantes (designers, estilistas), além de premiar marcas de moda, que sejam engajadas em projetos e na busca por métodos mais éticos e sustentáveis de produção, apoiando-se em conceitos como: durabilidade dos produtos, reciclagem de materiais, estímulo do comércio local, preservação do meio ambiente.

PREMIAÇÃO

Um júri foi formado por voluntários de diferentes partes do mundo está pronto para avaliar os projetos enviados. O projeto de moda sustentável mais bem avaliado pelos jurados receberá um prêmio no valor de US$6 mil, sendo que metade desta quantia será doada para uma das ONGs participantes do concurso, conforme a escolha do vencedor. A SOS Amazônia é uma das organizações que apoia e promove essa iniciativa por uma moda mais sustentável.

O site Jak&Jil está presente em 10 países: Brasil, Colômbia, EUA, Alemanha, Inglaterra, Suécia, Polônia, França, Itália e Índia. Isso significa que o seu projeto atingirá uma audiência global!

As inscrições vão até o dia 31 de outubro. Inscreva- se agora (aqui)!

Conecte-se.

Conecte-se com a Amazônia! Apoie o projeto Faça Florescer. 

É de uma grandeza extraordinária o quanto a Amazônia faz diferença na vida das pessoas, tanto para quem vive nela quanto para quem mora em outras regiões. Um dos exemplos é que “a floresta amazônica bombeia um imenso fluxo de água pelos ares, chamado de rios voadores. Essa umidade enviada para a atmosfera se transforma em chuva, beneficiando outras regiões do Brasil”.

Para retribuir a Amazônia uma pequena parcela dos benefícios que recebemos dela, a SOS Amazônia lançou um desafio às pessoas que querem se unir pela preservação da Amazônia: Reflorestar áreas de nascentes, restabelecendo importantes corredores de biodiversidade, por meio do projeto Faça Florescer.

O Faça Florescer se propõe a construir e manter um viveiro de mudas, por meio de ajuda coletiva, para a restauração florestal de nascentes. Uma ótima oportunidade para gerar conteúdo que motiva a reflexão sobre os problemas na Amazônia.

Cada contribuição voluntária é muito importante para que esse objetivo seja alcançado. Junte-se a nós, doe qualquer valor e torne pública a sua doação, a partir do uso da hashtag #VemReflorestar, #FaçaFlorescer e #sosamazônia nas redes sociais.

Colabore aqui e faça florescer um mundo melhor! 

SOS Amazônia e cooperativas participam da BIOFACH 2018 – Feira Internacional de Alimentos Orgânicos

A SOS Amazônia e cooperativas apoiadas pelo Projeto Valores da Amazônia estão participando da Feira Internacional de Alimentos Orgânicos, realizada em Nuremberg – Alemanha, entre os dias 14 e 17 de fevereiro.

Um dos serviços do Valores, projeto realizado com apoio financeiro do Fundo Amazônia, é possibilitar a participação desses empreendimentos amazônicos em feiras internacionais – Uma boa oportunidade de posicionamento dos produtos de base florestal no mercado internacional.

Produtos expostos pelas cooperativas apoiadas pelo Valores da Amazônia e produtos da Guayapi (parceria feita para exposição dos produtos)

As cooperativas estão expondo produtos de duas cadeias de valor apoiadas pelo projeto: Óleos vegetais (tucumã, andiroba, buriti, patauá, açaí) para uso cosmético e alimentício; copaíba, breu, pau rosa e manteiga de murmuru para uso cosmético; Amêndoas de Cacau Silvestre (alimentício) e manteiga de cacau silvestre (uso cosmético).

“Trata-se de uma grande oportunidade para a Coopfrutos ter acesso ao mercado europeu, é o início de uma nova etapa, ainda estamos nos adequando, mas podemos agregar valor com a certificação dos nossos produtos e todos os envolvidos no processo produtivo podem sair ganhando”, destaca a representante da Coopfrutos, Elizana Araújo.

A Feira tem como uma de suas propostas, promover o uso responsável dos recursos naturais. 2.950 expositores e mais de 50.000 visitantes do setor orgânico nacional e internacional são esperados no BIOFACH 2018.

“Sem dúvida, é a maior feira de orgânico do mundo, com a participação de pessoas e empresas que querem conhecer produtos novos e diferentes, com responsabilidade social e ambiental. É uma oportunidade imensa para divulgar o trabalho que essas cooperativas fazem para gerar renda e manter a floresta em pé, que podem, futuramente, terem seus óleos vegetais e amêndoas de cacau inseridos no mercado europeu, cumprindo todas as exigências que esse mercado requer. Percebemos que há muito interesse das pessoas quando vêm visitar nosso estande, elas querem conhecer mais sobre os óleos, saber como são produzidos, suas finalidades. Então, isso que o projeto Valores está possibilitando a esses empreendimentos, com certeza, pode garantir, no futuro, acordos importantes para a comercialização desses produtos de base florestal”, observa Alisson Maranho, coordenador geral do projeto Valores da Amazônia.

[Foto em destaque mostra representantes da SOS Amazônia, Cooperativas e da Guayapi]

Saiba mais sobre o Valores da Amazônia.

 

SOS Amazônia presente no Lush Summit 2018

Evento promove o debate sobre assuntos como mudanças climáticas, proteção de florestas, direitos animais, caça ilegal, igualdade de gênero e direitos indígenas.

Nos dias 14 e 15 de fevereiro de 2018 acontece em Londres, o Lush Summit – edição 2018 – um espaço aberto para debates e ativismo, com a participação de ativistas e organizações do mundo todo. Esta é a segunda edição do evento.

Realizada pela Lush Fresh Handmade Cosmetics, a iniciativa aborda temas sobre direitos humanos, direitos dos animais e proteção ao ambiente, com a exploração de assuntos como mudanças climáticas, proteção de florestas, caça ilegal, igualdade de gênero e direitos indígenas.

A SOS Amazônia, representada pelo seu secretário geral, Miguel Scarcello e pela coordenadora administrativa de projetos, Gabriela Souza, é uma das organizações participantes.

Como organização convidada, a instituição tem a oportunidade de debater as estratégias utilizadas para a conservação da floresta amazônica, problemas enfrentados e como conectar as pessoas para ter um olhar mais preocupado com a Amazônia.

“O Lush Summit é um convite para a mudança, de incentivar as pessoas a enxergarem o mundo de um jeito diferente e especial, onde fazer sua parte tem grande importância para o planeta. O  evento tem a presença de muitos jovens, é um momento de conscientização, para que tenham mais clareza do baixo impacto que os produtos causam, do respeito social que a Lush tem. Somos muito gratos à Lush pela oportunidade de participarmos dessa iniciativa tão especial, e o que SOS Amazônia deseja é isso, que as ações das pessoas por mundo melhor sejam mais frequentes”, destaca Miguel.

#DiadeDoar 2017 será no dia 28 de novembro

A SOS Amazônia participa, desde 2015, da campanha #diadedoar, criada com o objetivo de promover a cultura de doação no Brasil. A edição 2017 acontecerá no dia 28 de novembro e o Brasil inteiro vai se mobilizar.

Faça parte desse movimento você também! Todos por um país mais generoso e solidário! Junte-se a nós, doe qualquer valor para SOS Amazônia e torne pública a sua doação, a partir do uso da hashtag #diadedoar nas redes sociais.


O #DIADEDOAR

O #diadedoar é organizado pelo Movimento por uma Cultura de Doação, uma coalização de organizações e indivíduos que se mobilizam para termos um país mais generoso e solidário. Essa iniciativa começou em 2012, nos Estados Unidos, com o nome de #GivingTuesday, e hoje já alcança mais de 80 países. (Mais informações)


SOBRE A SOS AMAZÔNIA

Na década de 1980 houve um grande incentivo ao desmatamento na Amazônia e grandes áreas de florestas foram substituídas por pastagens. Naquela época, o movimento dos seringueiros unia forças para empatar a devastação da Amazônia. O cenário exigia muito apoio e dedicação à luta dos seringueiros para proteger a floresta. Movidos pela resistência dos guardiões da floresta, dia 30 de setembro de 1988, na cidade de Rio Branco, no Acre,  professores, estudantes universitários e representantes do movimento social, incluindo o ativista e seringueiro Chico Mendes, criaram a SOS Amazônia, que passou a promover essa causa,  tendo como objetivo principal proteger a Floresta Amazônica, apoiando as populações tradicionais.

ATUAÇÃO

A instituição atua no estado do Acre e Amazonas, além de áreas fronteiriças, com a participação de, aproximadamente, 5 mil famílias, por meio de sete projetos e duas campanhas. Essa área de atuação se dá, principalmente, em Unidades de Conservação, a exemplo do Parque Nacional da Serra do Divisor e da Reserva Extrativista Alto Juruá, atribuindo à SOS Amazônia um extenso e importante histórico de iniciativas para manutenção das florestas e melhores condições de vida aos povos que nelas habitam. Entre os projetos está o «Valores da Amazônia», que busca estruturar, fortalecer e integrar as cadeias de produtos florestais não madeireiros (borracha nativa, óleos vegetais e cacau silvestre) –  uma iniciativa que promove a geração de renda e mantém a floresta em pé (apoio: Fundo Amazônia); e o «Quelônios do Juruá: Eu protejo», que tem por objetivo garantir a conservação das espécies de tartarugas, tracajás e iaçás na região do Vale do Juruá.

#MelhoresOngs

Em 2017 foi reconhecida como uma das 100 “Melhores ONGs do Brasil”. O prêmio é uma iniciativa do Instituto Doar, em parceria com a Revista Época, que busca reconhecer boas práticas de gestão e transparência no terceiro setor, além de incentivar a cultura de doação no Brasil.

#façaflorescer #sosamazônia #diadedoar